terça-feira, 25 de outubro de 2011

SOL SOB A MULHER

O sol se punha de um modo todo etéreo,
Seus raios se espargiam, penetrando a noite
Eu, cá embaixo, transpassado de uma foice
Do amor dela – impassível, e ele, esmero.

Cabelo ao vento, sobre os ombros repartido,
Lembrou-me Helena e toda a Grécia a buscá-la
Em gerra à Troia pela beleza que roubara,
Passos de deusa, fina leveza no vestido.

Olhei o sol, já estendido, abraçando o poente,
Destilando raios sobre ela ainda dourados,
Tudo ao dispor de um homem apaixonado;

Serena e firme, musa daquele espetáculo,
Ela ocultou todos raios de sol a minha frente,
E foi seguindo com os perfumes e o toucado.

Elói Alves

5 comentários:

  1. Lindo poema eloi,o sol brilhantou o poema todo instante,cheio de luz e de amor,Parebéns !!!! Amei !!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratíssimo, amiga! Obrigado pelo carinhasa leitura!

      Excluir
  2. Lindo o poema, parabéns e ah, obrigada por compartilhar comigo. Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Belo poema que nos toma por enlevo... retirando-nos da profana condição humana a nos remeter em devaneio ímpar! Gostei demais! Parabéns Elói.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grato, Ira, pela leitura dedicada e pelas palavras inspiradoras!

      Excluir

Postagens populares (letrófilo 2 anos 22/6)